Buscar

Um pouco sobre Liderança Positiva




Importante: A liderança positiva não é algo só aplicada ao meio corporativo, experimente ler este artigo no contexto de sua vida pessoal 😉.


A liderança positiva surgiu em meio a necessidade de novas demandas do mercado que vem surgindo de maneira constante, como: equilíbrio entre vida pessoal e profissional, saúde mental, sentimento de pertencimento, flexibilidade etc.


Você pode se perguntar, qual geração iniciou este movimento da liderança positiva?

Eu não gosto de encaixar ou limitar as pessoas em gerações, x, y ou z, pois, eu acredito que além do conceito de gerações, existem algumas variáveis como: cultura, o meio e as experiências vividas por cada indivíduo. Então, dizer que a liderança positiva foi um movimento criado por “tal geração” para mim, é meio maluco.


A liderança positiva é uma nova “onda” que vem tomando conta do mercado, através da influência de quem já estava lá há algum tempo e estava cansado do modelo antigo de gestão, onde a hierarquia era sinônimo de poder absoluto. Influenciado também pela entrada da nova geração de trabalhadores que enxergam a vida de um jeito mais leve e igualitário.


“Ser um líder positivo é antes de qualquer coisa entender que você é parte da engrenagem…” (segundo Gestor Rubens E. Rovani Jr., gestor na empresa PagSeguro).


Respeitar a Individualidade.


Respeitar a individualidade é essencial quando trabalhamos em grupo, compreender que cada um que está ali, mesmo que nascidos na mesma época e pertencerem a mesma geração, viveram em ambientes diferentes, tiveram suas próprias experiências e tem uma forma única de aprender e lidar com as situações. Sendo assim, como tratar todos da mesma maneira? Querer que todos tenham a mesma velocidade ao executar e aprender alguma atividade?


Compreender esse conceito de respeito a individualidade se trata de observar como cada pessoa funciona, entender que cada um tem a sua essência e forma de se adaptar de maneira diferente. Um dos seus papeis como liderança é encaixar as necessidades individuais de cada um dentro do grupo.


Dar Autonomia.

Em um modelo de gestão autoritário, a regra é: “Manda quem pode, obedece quem tem juízo”. Você já deve ter ouvido esta frase algumas vezes. A cada dia mais as pessoas desejam fazer parte da construção de algo maior, ter o sentimento de pertencimento e não se trata apenas do seu “trabalho braçal”, mas de suas ideias.


Dar autonomia ao seu time é dar voz a eles, deixe que eles expressem suas ideias sem se sentirem sugestionados ou pressionados. Quanto mais pessoas pensando de formas criativas sobre um determinado assunto, mais opções de resolução irão parecer.


Comunicação Clara e Positiva.

A base para qualquer relacionamento e a comunicação, a forma como nos expressamos e como alinhamos as expectativas evitam conflitos desnecessários e mal entendidos. Algumas atitudes na comunicação são como certos ingredientes em uma receita, “sempre funcionam”. Ser educado genuinamente e ser claro são uns dos ingredientes que sempre funcionam em qualquer situação.


Ao passar uma informação, seja ela uma atividade a ser feita ou um comunicado importante, ser claro nas palavras e educado genuinamente é essencial.


Cuidado! Falar uma coisa e agir de forma diferente não irá te ajudar a se comunicar bem, as pessoas estão sempre observando mais o que se faz na prática do que como se fala.


Quando o assunto for feedback, inicie sempre pelo positivo, isso ajuda muito na forma de como o outro irá absorver o restante do conteúdo. Começar dizendo que ela está indo mal, irá criar uma barreira com relação ao resto da conversa.

Se de a oportunidade ver o que essa pessoa tem feito de bom, qual o potencial dela dentro do time, depois, deixe que a pessoa olhe para ela mesma e diga o que ela tem feito de bom, e quais as expectativas dela quanto ao seu próprio potencial. Isso é bom para alinhar as expectativas de ambas as partes.


Um ponto extremamente importante quando se chega na parte de dizer o que é necessário desenvolver, é sempre trazer fatos que embasem a sua observação. Ainda mais importante que trazer a sua percepção, é deixar que a pessoa traga a percepção e intensões dela sobre o fato, afinal é como dizem, “Toda história tem 3 lados, o meu, o seu e o que realmente aconteceu”. As intenções por trás de cada ação podem ser diferentes do resultado que ela gerou! Esses feedbacks e conversas devem ser constantes, nada de retornos semestrais, o ideal é que essas trocas aconteçam quinzenalmente.


Pensamento positivo te deixa criativo.


De acordo com estudos da neurociência nosso cérebro trabalha de 4 maneiras: neutro, nervoso, estressado e positivo, e apenas em modo positivo, podemos desenvolver maior habilidade de resolver problemas complexos. Somos 40% mais produtivos e 300% mais criativos.

Então, pensando em uma liderança positiva, começar a treinar o seu cérebro a buscar situações e alternativas positivas te deixará mais criativo para encontrar as soluções.


Tenha momentos de descompressão


Trabalhar, trabalhar, trabalhar… ainda para algumas pessoas isso quer dizer produtividade. Ao contrário do que os workaholic de plantão acreditem, produtividade nada tem a ver com trabalho insano.


Estudos já comprovaram que ter momentos de descompressão te deixa mais produtivo e pronto para resolver problemas complexos.


Dados da OMS mostram que 33% da população sofrem com transtornos de ansiedade no trabalho e o Brasil é o número 1 no ranking mundial. Ansiedade, estresse, Burnout são os resultados de trabalhos sem uma pausa para descontrair. Então, de uma pausa para o café, água, e talvez uma leitura rápida descontraída. 😉


Frequência e Acompanhamento.


As 5 bases que citei acima não são nada se não existir a dedicação, ou seja, se você chegar à conclusão que não tem tempo para cuidar da gestão de pessoas, talvez seu problema também esteja em saber delegar, ou o time está enxuto demais.


Dar acompanhamento nos desenvolvimentos individuais, apoiar cada um do time, sempre potencializando seus pontos fortes e dando o apoio necessário para desenvolver seus “gaps” farão de você e sua equipe um time positivo e de resultado extraordinário.


Como medir se sou um Chefe ou um Líder?


Minha prima Bia me pediu que explicasse essa diferença, então, vou responder à pergunta dela, pois acredito que é sempre bom relembrar essas diferenças, mas também quero trazer uma reflexão.


Hoje usamos o termo Líder para substituir o termo Chefe, pois ser um líder quer dizer inspirar, influenciar de maneira positiva as pessoas, agregar valor, conhecimento etc. Já um chefe no que lhe concerne, hoje leva o peso do modelo de gestão mais autoritário sem limites e eu diria ultrapassado em muitas empresas.


Se analisarmos um termo super comum hoje em dia, o “CEO” usado de forma muito “chique” podemos refletir... só para relembrar a abreviação seria… “Chief Executive Oficcer”. Então se o termo “chefe” se tornou algo negativo, nenhum CEO é inspirador? Todos são exploradores maus? Acredito que não!


Querida Bia, na verdade, não importa o nome que damos as coisas, isso é apenas um detalhe, é como dizer que todo Lucas é arteiro (risos). O que realmente importa é a mudança de comportamento no dia-dia do indivíduo que está naquela posição de orientar e desenvolver pessoas. Se você quiser chamá-la de Chefe, líder, cacique ou CEO, fique à vontade, o que importa mesmo são suas atitudes.


Como sei se estou sendo um líder inspirador?


A resposta é simples para esta pergunta. Ela não está em você gestor, mas nas pessoas que te cercam, nos seus colaboradores, no seu time, estão em como seus resultados são alcançados…

Se as pessoas a sua volta tiverem este pensamento, você está no caminho certo:


“Essa figura é minha inspiração, quando eu conquistar um cargo de gestão, quero ser ao menos como ela (ele), pois o admiro e ele me ensinou muito, foi parte do meu processo de evolução, me fez chegar até aqui.”


Então resumindo, não se trata de nomenclaturas e sim de comportamentos e não se trata de você se sentir um agente inspirador, as pessoas têm que ver isso em você.


Como ser positivo em uma empresa que não tem essa cultura?


Aqui vale lembrar que estando em um cargo de gestão ou não, você tem 2 possibilidades.


1 — Você consegue ser positivo em um ambiente que não favorável por um tempo até decidir procurar outra coisa, ou no concorrente, ou abrindo seu próprio negócio.


2 — Você pode ficar por um tempo e contagiar o meio que você trabalha e ir mudando cenário aos poucos, é como minha mãe me ensinou “Não jogue lixo na rua. Se você não jogar, talvez você possa influenciar alguém a não jogar e assim em breve ninguém vai mais jogar”.


Enfim, essas são apenas algumas características de um líder positivo.


Qual a sua visão de um líder inspirador?


Mande esse artigo para aquele líder inspirador e agradeça por ele fazer parte do seu desenvolvimento!


Lumeh por mais pessoas inspiradoras!

© 2020 Lumeh Desenvolvimento Humano - CNPJ - 36.963.147/0001-24